05/04/2019 — Texto: Soraya Simón | Fotos: Drauzio Tuzzolo

Após 70 anos, a casa, patrimônio histórico tombado e um dos principais exemplares da arquitetura denominada Escola Paulista, está aberta ao público desde o dia 21 de março, com a exposição Artigas “A Casa como Cidade”

No local, os visitantes têm a oportunidade de conhecer e apreciar os projetos das residências no bairro do Campo Belo, SP, sob o viés pessoal – a vivência na casa, influências políticas, convivência com intelectuais, artistas renomados, trazendo o conceito de moradia.

Construída em 1949, a casa abrigou a família Artigas até 2016. Revitalizada entre 2016 e 2017, agora abriga o Instituto Casa Vilanova Artigas – ICVA –, um centro cultural voltado para a valorização da arquitetura e patrimônio histórico, design e arte em geral. O espaço foi preparado para expor projetos e imagens da vida e obra do arquiteto, e abrigar outras exposições e eventos.

Este projeto e empreitada foram da arquiteta paulistana Talita De Nardo Missaglia, foi aluna de Julio Artigas, filho do ilustre arquiteto, em 1998. A revitalização, contou com parcerias com empresas e profissionais do setor para fornecimento de materiais e mão de obra. Agora, com o Instituto, buscará novos apoios para a manutenção e visitação pública.

“Eu morei a vida inteira no bairro e sempre admirei esta casa. Ter a oportunidade de cuidar deste espaço e manter sua vocação social é desafiador e um orgulho não só para mim, mas para qualquer arquiteto. Nosso patrimônio histórico não é valorizado e o papel do arquiteto na sociedade brasileira também não”, destaca a arquiteta e responsável pelo ICVA.

O Instituto ainda abriga o Café Artigas, onde os visitantes poderão saborear um reduzido e seleto cardápio inspirado nos arquitetos modernistas brasileiros, assinado pelo Chef André Galante e comandado por Mauricio Tuzzolo.

Na área externa, os lindos jardins feitos por Burle Marx foram reeditados por Luis Carlos Orsini, paisagista consagrado pelo projeto Inhotim/MG.

Outra novidade é o Coworking com 10 estações, permitindo que as pessoas que estiverem trabalhando nesse espaço aproveitem para viver esse legado deixado pelo arquiteto João Batista Vilanova Artigas, em um imóvel emblemático e quase escondido no bairro de Campo Belo, SP.