25/09/2020 — Texto: Barbara Jahn-Rösel | Fotos: Alex Filz

Onde uma gota de chuva começa sua longa jornada para o mar, novas perspectivas aparecem: no novo deck de observação na geleira Schnals Valley, e sua mente se refresca com as vistas panorâmicas.

Há algo de sublime neste lugar especial, bem no topo da cordilheira do Glaciar Schnals Valley, Tirol do Sul (Itália) onde a impressionante paisagem alpina se eleva a 3.212 metros acima do nível do mar e a Áustria está ao virar da esquina. Aqui, o destino decide se uma gota de água glaciar irá para o Mediterrâneo ou para o Mar Negro.  Bem no topo dessa interseção alpina única, encontra-se o Hotel Grawand (www.grawand.com), um dos poucos hotéis na Europa localizados a tal altitude. A poucos passos de distância, cerca de 50 metros, está o cume da montanha. A vista deslumbrante da paisagem faz o tempo parar. Os caminhantes e esquiadores visitam o pico para experimentar a natureza em sua plenitude: acidentada, pedregosa, com vento e clima puros.

A fim de permitir que os visitantes que planejam uma estadia mais prolongada, bem como os nômades das montanhas vivenciem não apenas o passeio de tirar o fôlego até a estação de montanha, mas também conheçam a fascinante história deste país das maravilhas alpinas, noa* network of architecture desenvolveu esta estrutura arquitetônica única:  uma plataforma de observação assente numa estrutura leve em aço Corten, dando um toque moderno que também se integra na paisagem. O projeto incorpora a cruz do cume preexistente, e a plataforma apenas toca o solo onde há uma necessidade estática – criando uma construção destacada, quase flutuante, que permite que você se torne um com as montanhas e respire a liberdade.

A plataforma segue a topografia natural com uma grade de planalto colocada no topo de vigas transversais delgadas, as quais são envolvidas por lamelas verticais de aço Corten. Os elementos verticais, altos para o parapeito, traçam essas curvas suaves em sua sequência. Isso cria um efeito mágico: uma abertura e um fechamento de visões que seguem o movimento do espectador – um convite para descobrir novas perspectivas continuamente. Esta dinâmica única cria uma experiência sensual totalmente envolvente, na qual o tempo para por um momento e todas as outras lembranças são eclipsadas. Um funil geométrico foi cortado na plataforma ondulante para direcionar os olhos do observador para algo atemporal – o lugar onde Ötzi foi encontrado (Ötzi – o homem do gelo – é uma múmia masculina com cerca de 5300 anos, encontrada por um casal de alpinistas em 1991).  O funil é de aço Corten e, como as ripas da grade, o aço torna-se marrom escuro, cinza e preto conforme cede aos elementos e se torna um com seus arredores. Sua extremidade se completa por uma grade de vidro que dá aos seus pensamentos um suspense de tirar o fôlego – parece que você está andando no ar.

Saiba mais em noa.network.com