24/02/2020 — Texto: dc33 Comunicação | Fotos: Leandro Moraes

Clima leve e descontraído, área de lazer completa, elementos naturais e materiais duráveis, são algumas dicas para os projetos de residências na praia

Com a contagem regressiva para o final do inverno, a expectativa é de dias ensolarados e quentes que estão por vir – e ficar. O otimismo meteorológico faz com que as casas de veraneio voltem à sua ocupação total, ainda mais quando viajar para hotéis e pousadas, ainda gera inseguranças, por conta da pandemia. Mesmo em setembro, dá tempo de repaginar a residência para aproveitar a primavera e, sobretudo, as férias de verão. “Além de uma área de lazer confortável, esse tipo de projeto pede acabamentos resistentes e duráveis, que demandem pouca ou nenhuma manutenção”, revela Patricia Penna, à frente do escritório Patricia Penna Arquitetura & Design, que reuniu uma série de dicas sobre o assunto.

A sugestão por acabamentos resistentes e com baixa demanda de manutenção é simples de entender: casas próximas ao mar sofrem grandes danos causados pela alta umidade do ar e a maresia. A arquiteta Patricia Penna explica sua preferência por projetar ambientes integrados como recurso que contribui para aumentar a ventilação natural. “Sem a compartimentação excessiva da planta, conseguimos também a sensação de amplitude nos ambientes da residência”, explica.

O clima marítimo fica por conta da decoração, que pode ganhar itens que remetam à atmosfera local. A paleta de cores definida para as paredes e acabamentos dos móveis, aliada aos objetos de arte, almofadas e tecidos em geral, são alguns dos componentes essenciais para ratificar o mood de descanso da casa de praia. “Peças produzidas com matérias-primas naturais como fibras, cordas e madeiras são perfeitas para a construção da atmosfera praiana”, enfatiza a arquiteta.

A durabilidade dos materiais é uma questão importante a ser considerada, para que a longevidade do projeto seja mantida por mais tempo. Para portas e janelas, o alumínio é uma das melhores opções, pois além de ser extremamente resistente a intempéries, pode receber uma grande sorte de acabamentos. No capítulo revestimentos, porcelanatos e pedras naturais são ideais, pois possibilitam uma limpeza mais funcional e são bastante duráveis. “Pedras naturais, em geral, demandam alguma atenção quanto à impermeabilização. Por isso, é sempre importante avaliar material X uso, no momento da especificação”, adverte Patricia Penna. Para os tecidos dos sofás e cortinas, por exemplo, resistência, praticidade para limpeza e secagem rápida, são atributos a serem observados.

Conheça mais sobre os projetos da arquiteta em www.patriciapenna.arq.br