26/06/2020 — Texto: Assessoria Dc33 | Fotos: Guilherme Pucci

Arquiteta apostou em elementos que remetem aos hotéis preferidos dos moradores, reunindo elementos rústicos e garantindo clima de férias o ano todo

O apartamento de 186 m², na Granja Julieta, em São Paulo, emana uma atmosfera de bem-estar e relaxamento que desperta nos moradores uma sensação contínua do ‘estar de férias’. Esse foi o sonho compartilhado pelo casal de proprietários do imóvel quando concedeu à arquiteta Júlia Guadix, do escritório Liv’n Arquitetura, o projeto de reforma de sua segunda morada juntos.

As referências com viagens, lazer e descanso para compor a decoração não aconteceram por um acaso. Apaixonados por destinos do Brasil e do mundo, os futuros moradores compartilharam com Júlia duas experiências de hospedagem que marcaram suas trajetórias: o Hotel São Lourenço do Barrocal, localizado na região do Alentejo, em Portugal, e o Vila d’Este, em Búzios, região dos Lagos do Rio de Janeiro. “Ao imergir por esses destinos, detectei que ambos nos remetem para uma atmosfera leve, com predomínio do branco e a utilização de materiais naturais”, revela a arquiteta.

Além de enfatizarem o que desejavam sentir ao estarem em casa, o casal compartilhou com a arquiteta o apreço por elementos rústicos e elegantes para a composição da área social e íntima, além de uma decoração contemporânea para a cozinha.

Com a marcenaria já presente nos quartos e na cozinha, bem como o piso de madeira em tacão de cumaru instalado nas dependências social e íntima, a arquiteta elaborou o projeto adotando uma paleta neutra, materiais naturais e despojados. Entre as escolhas, Júlia evidenciou peças como tapetes de fibras naturais, pufes de couro, sofá de linho, vasos de terracota, cesto de sisal e a presença de muitas espécies de plantas.

Outra questão determinante foi o tempo de projeto, realizado em curto período. Tendo em vista a necessidade de mudança dos moradores – que haviam vendido o primeiro imóvel habitado por eles e precisavam entregar aos novos proprietários –, em três meses Júlia cumpriu a missão com maestria. Em termos estruturais, a obra promoveu a inversão da abertura da porta de entrada social, que antes era posicionada para o corredor de acesso aos dormitórios e agora a abertura é para a sala de estar.

Buscando a integração visual e a amplitude, a arquiteta eliminou a parede que dividia sala e varanda. Ainda sobre as mudanças estruturais, a área de serviço contou com a alteração nas posições do tanque e máquina, que ainda receberam uma bancada de granito para o melhor aproveitamento do espaço, bem como uma marcenaria inteligente para guardar os artigos de limpeza. “Muitas vezes esquecida ou deixada em segundo plano, a lavanderia precisa ser bem organizada e propiciar excelentes condições de utilização no dia a dia”, enfatiza Júlia. Concluindo o roteiro de obras, o forro de gesso original, que registrava uma série de recortes que sobrecarregavam a estética, foi retirado para deixar os cômodos mais clean e acrescer o pé-direito.

Na sala de estar, o aspecto discreto prevaleceu. Ao invés do antigo revestimento 3D existente na parede da sala, tijolinhos brancos prevalecem em todo o ambiente. Conectada com o jantar, as escolhas para a decoração foram responsáveis por demarcar a proposta trazida por Júlia para cada ambiente. Em uma das pontas, a TV é acompanhada pelo rack que ‘esconde’ todos os equipamentos eletrônicos.

No mobiliário, as escolhas foram o sofá com tecido cinza e de linho, com quatro posições, duas cadeiras de balanço Charles Eames, espaçosos pufes de couro e uma mesa de centro Noguchi com estrutura em madeira e tampo em vidro.

O lavabo também ganhou nova roupagem sem a demanda por grandes obras. Com a retirada do papel de parede, a transformação manteve a bancada em Travertino Nero, que ganhou uma nova cuba de apoio e torneira. A janela, perfeita para iluminar e ventilar, ganhou uma marcenaria de madeira ripada. Na sua continuidade, o armário comporta refis e sabonetes líquidos e é fechada por um espelho. O toque final ficou para a iluminação com fitas de LED dispostas na parte inferior e superior da marcenaria.

Para a sala de jantar, que por sua vez revela a abertura para a varanda por meio das portas de correr, em vidro, a arquiteta escolheu o formato de mesa redonda Saarinem com tampo em mármore Carrara. O pendente acima da mesa e o tapete (Tenda dos Tapetes), participam na demarcação do espaço, que é completado pelas duas adegas climatizadas, o espaço do bar posicionados ao lado dos gabinetes em laca e a madeira de demolição instalada para a bancada.

Para a varanda com fechamento completo em vidro, a inspiração foi transpor ares de casa antiga e aquelas entradas deliciosas de fazendas e hotéis. Para o piso, o revestimento terracota (Lepri Cerâmicas) remonta à memória afetiva cultivada pelos moradores após a hospedagem no hotel português que arrebatou seus corações.

A madeira reina em sua plenitude nos mobiliários: em um dos cantos, o sofá com estrutura em madeira escura e estofados em branco é acompanhada pela mesa de centro que, como uma ‘vitrine’, recebe louças e objetos adquiridos nas viagens do casal.

Na outra extremidade, a estrutura para o casal ter seus churrascos em casa com a churrasqueira portátil – saída encontrada por Júlia diante da ausência de infraestrutura do prédio para a construção da versão tradicional. Como saída para absorver a gordura e reduzir os odores durante o preparo, o armário superior conta com um depurador.

Uma das portas ripadas do armário inferior é, na verdade, um carrinho concebido para ser movido facilmente e encaixar a churrasqueira no seu lugar. “Produzir o armário nesse formato foi uma alternativa para os momentos que meus clientes utilizam a churrasqueira grande, que comporta exatamente esse espaço. Depois é só colocá-lo novamente no lugar,” relata a arquiteta.

Ainda com o revestimento original entregue pela construtora, a arquiteta renovou cozinha e área de serviço ao definir para o piso a instalação do porcelanato (Portobello), que remete ao cimento queimado. Ao evocar o estilo da decoração industrial, nas paredes a profissional uniu clima retrô do revestimento subway tile, na cor cinza (Portinari), que foi aplicado no backsplash da pia e em 2/3 da altura das demais paredes. Completando a altura até o teto, a pintura no mesmo tom.

Focada no reaproveitamento, a reforma deu nova vida à bancada de granito preto São Gabriel, que contava com irregularidades que comprometiam sua aparência. A cuba dupla, que estava desgastada pelos anos de uso, foi substituída, além disso, o granito foi restaurado e polido. Na marcenaria, o projeto realizou apenas os ajustes necessários nos armários já existentes, e a maior mudança visual foi obtida laqueando a parte inferior da bancada em um tom de azul.

Passando para o dormitório, o escritório alterou a marcenaria dos armários para dar amplitude e criar, à direita, uma sapateira e aparador. A iluminação super aconchegante ficou por conta da luminária (Reka) que rebate a luz no teto, as luminárias de leitura posicionadas na mesinha lateral definidas por Júlia para as extremidades da cama e o abajur de piso que produz uma luz intimista.

Para saber mais, acesse: www.livn.arq.br