13/08/2018 — Texto: V3 Comunicação

Terceiro restaurante no Brasil do famoso chef inglês Jamie Oliver conta com arquitetura traçada através de um núcleo central, a cozinha, e apresenta três ambientes com propostas diferentes, mas que aliam personalidade e sofisticação

Aliar a proposta de um restaurante contemporâneo e cheio de personalidade, rico em detalhes urbanos e industriais, com a sofisticação do espaço onde está inserido: um shopping de luxo localizado em um bairro nobre da cidade. Esse foi o principal desafio da arquiteta Bruna Pavoni, da Montserrat Arquitetura, ao desenvolver o projeto do Jamie’s Italian Curitiba, a terceira unidade do restaurante do famoso chef inglês Jamie Oliver no Brasil, localizado no piso L2 do Pátio Batel, em um espaço com 510m².

Bruna destaca que, para garantir uma conexão entre as duas propostas, foram utilizados elementos que ajudam a construir uma linguagem contemporânea, moderna e, ao mesmo tempo, sofisticada e exclusiva. “No salão principal, temos dois elementos que são um exemplo claro dessa construção: o grafite produzido pelo artista curitibano Michael Devis que contrasta com os dois lustres de cristal, garantindo assim um ambiente ao mesmo tempo urbano e sofisticado”, destaca.

Segundo Pavoni, Londres participou ativamente no desenvolvimento do layout e na aprovação final de todo o projeto para que fosse mantido o estilo e a proposta da rede. “No entanto, tivemos liberdade para adicionar elementos que garantissem um tom de exclusividade à unidade curitibana, como é possível observar também em outros restaurantes da rede pelo mundo”, afirma.

A arquiteta explica que o restaurante conta com três ambientes, cada um com sua proposta específica. “Na entrada temos a varanda em que ainda estamos inseridos no contexto do shopping, com a conexão visual de todos que percorrem o espaço externo. É a ligação entre externo e interno, por isso optamos por elementos vibrantes que chamam a atenção de quem olha”. afirma.

De acordo com Bruna, no salão principal o espaço já oferece um ambiente mais intimista, com uma luz mais baixa, maior qualidade sonora devido aos forros acústicos e a variedade de elementos internos, como a composição da arte com os pendentes e a cozinha aberta com o grande expositor do bar que é grande característica dos restaurantes da rede. “Partimos de um núcleo central – a cozinha – e buscamos transformá-la realmente em um palco onde os clientes poderiam acompanhar a produção dos pratos criado por Jamie Oliver e Gennaro Contaldo”, destaca.

Por fim, a área externa apresenta uma maior conexão com a natureza, pois está cercada por toda uma área verde do Parque Gomm, que percorre as laterais do restaurante. “Esse espaço foi contornado delicadamente por ripados em madeira que descem do forro, como uma releitura da forma da famosa estufa do Jardim Botânico, mas mantendo elementos do restaurante como a iluminação âmbar e os estofados laranjas, garantindo assim uma conexão entre o ambiente interno e externo do restaurante”, destaca.

Materiais utilizados

Bruna destaca que, para garantir a conexão entre sofisticado e urbano, foram usados materiais que tornassem o ambiente intimista, convidativo e, ao mesmo tempo, provocante e confortável como, por exemplo:

  • Serralheria nos móveis, remetendo a uma linguagem mais industrial, que além de sua resistência, traduz uma robustez ao espaço;
  • Madeira nos forros e acabamentos, que permite uma maior variedade no design, além de um ambiente aconchegante;
  • Estofados com cores vibrantes, que criam um destaque visual em todo o ambiente, mas sem perder o conforto;
  • Azulejos com design único, utilizados em cores vibrantes, que além de transmitir uma linguagem mais urbana, destacaram ainda mais a cozinha que é o grande foco do restaurante e o bar que conecta a parte interna e externa;
  • Cristal nos lustres principais, refletindo a elegância e refinamento do shopping Pátio Batel;

Projeto de Iluminação

A iluminação do Jamie’s Italian Curitiba também é um destaque do projeto, de acordo com a arquiteta. “Trabalhamos de forma que de dia e de noite tenha-se uma iluminação agradável, com uma luz mais quente, trazendo o intimismo”, afirma. Além disso, os pendentes, além de compor com a proposta visual de todo o restaurante, criam uma iluminação bem pontual para as mesas, destacando os alimentos. Destaque também para a bancada do bar, com pendentes de alturas diferentes, transmitindo um movimento junto à cor dourada que realça o espaço. “No salão principal quebramos a predominância do estilo urbano com os dois pendentes de cristais, garantindo um toque mais sofisticado”, afirma.o Batel;

www.facebook.com/montserratarquitetura
Jamie’s Italian Curitiba