01/12/2017 — Texto: dc33 Comunicação | Fotos: Ines Antich

Ter em casa um closet é considerado um sonho de consumo.

Seja pequeno ou grande, o desejo é ter um canto especial onde seja possível organizar roupas, sapatos e objetos pessoais da melhor forma. Responsáveis pela KTA Arquitetura, as arquitetas Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiak Bitran contam os cuidados especiais que devem ser observados quando se trata desse espaço.

Entender que as pessoas possuem necessidades, jeitos e costumes diferentes é o primeiro passo para a criação de um closet. E, no caso das mulheres, uma máxima combina para todas: oferecer o maior espaço possível.

Ainda assim, as profissionais explicam que não existe um tamanho padrão para sua construção, mas algumas referências mínimas devem ser consideradas. “Para que o cliente possa circular no ambiente de uma forma confortável, é importante estimar um espaço de circulação, que varia entre 70 a 80 cm. Pensando nos armários em si, a profundidade deve ser de, pelo menos, 60 cm”, conta Ana Cristina Tavares.

Além do layout do quarto e o espaço disponível para o closet, também é necessário observar a existência de uma janela, indispensável tanto para a ventilação do ambiente, como também para a entrada de luz.

No que diz à concepção do espaço, as arquitetas da KTA Arquitetura optam, quase sempre, pela utilização da fórmica ou MDF melamínico, pois facilita na limpeza. Com relação aos acessórios, Ana Cristina e Claudia recomendam investir em peças de boa qualidade como penduradores metálicos e corrediças com amortecimento para as gavetas, entre outros.

Por fim elas explicam que ter um closet implica em algumas adaptações no dia-a-dia. Aberto, o espaço permite uma visualização melhor de tudo que tem ali dentro e pede organização.

“Separar as roupas por tipo e cores são boas soluções para acomodar as peças nas divisórias. Já as gavetas são perfeitas para acomodarem as roupas íntimas e peças de malha. Dessa forma, tudo fica em perfeita harmonia”, finaliza Ana Cristina.

www.kta.com.br