18/10/2017 — Texto: dc33 Comunicação | Fotos: Sidney Doll

O apartamento de 130 m² localizado no bairro Jardins, em São Paulo, projeto da arquiteta Ana Yoshida, revela a identidade do jovem casal que mora com um filho pequeno.

Para isso, algumas mudanças foram feitas, o que inclui quebra em algumas áreas, como a de serviço. Antes, esse espaço era fechado e incluía o banheiro da empregada que foi eliminado também. Com essas transformações, a hidráulica bem como os pontos de água e gás foram remanejados.

Com a ausência de paredes, essa parte do apartamento ficou maior, já que foi ligado à cozinha.

“A circulação não era funcional. Uma mesa de jantar que ficava onde está, hoje, o armário com o microondas, apertava a cozinha, e foi remanejada”, explica a arquiteta. “Aí, a sala de jantar que ficava onde é agora a sala de tv, foi para mais perto da cozinha e um novo cenário foi criado”, conta ainda.

De um lado da cozinha, os ladrilhos hidráulicos da Borges Ladrilho complementam a bancada. Os utensílios ficam à mão. O piso é porcelanato.

Integrada à sala, a cozinha se tornou um lugar perfeito para receber os amigos e a família. Por isso, vale trazer um toque de ousadia para o ambiente e porque não aproveitar os eletrodomésticos já existentes. Aqui, a geladeira antiga foi customizada com o divertido adesivo de girafa da Shutterstock. Ao lado dela, o modelo vintage também é a atração do espaço.

Os janelões foram mais aproveitados e a luz solar invade a bancada única, que liga cozinha e área de serviço.

A ideia foi reaproveitar móveis e peças já existentes. A mesa de demolição já era da família, bem como os quadros que foram agrupados nessa parede. Sobre as cadeiras, têm Ghost, da Kartell, intercaladas com Fernando Jaeger. Ao lado da prancha de surfe, paixão dos moradores, suportes de madeira preta.

Integrado está o living e sala de tv. “Aqui, mesclamos ainda mais peças novas com já existentes e reposicionamos os móveis, tudo para ficar com a ‘cara’ do casal”, explica Ana.

Sobre o tapete da ByKamy, rack de madeira e ferro, medindo 2,5m x 55 cm de largura, é local da tv, da vitrola vintage e de peças decorativas. “A vitrola mais o ladrilho da cozinha representam muito bem o despojamento desejado pelos moradores”, conta ainda a arquiteta.

O sofá de linho cinza é o centro entre os demais elementos, ele já era da família, bem como a namoradeira de couro. Sobre o sofá, as almofadas, também da ByKamy, complementam com o quadro e o tapete. “O tom azul dessas peças remetem ao mar…”, diz Ana Yoshida.

Para o centro da sala, os módulos individuais verde brilhante, da Adresse Design, não foram escolhidos por acaso. Podem ser separados e servem como assentos numa festa ou recepção, ou podem sair do meio e liberar espaço para o bebê brincar. Complementando a geometria, a mesinha de madeira e ferro, da Star Móveis Gabriel, em um dos lados do sofá, também pode ir para qualquer lugar.

www.anayoshida.com.br