29/10/2020 — Texto e Fotos: Ivo Tavares Studio

«Caminhos do Romântico» na cidade do Porto apresenta características únicas, uma mistura casas burguesas e populares, jardins repletos de cameleiras e espécies exóticas

Uma casa totalmente em ruínas no charmoso território “Caminhos do Romântico” na cidade do Porto (Portugal) – uma mistura casas burguesas e populares, entre percursos rurais, muros altos das antigas quintas e belas fontes, chafarizes e lavadouros -, passa por reforma e ampliação sob comandos da arquiteta Adriana Floret, do escritório Floret Arquitectura.

A casa é do século XIX e está localizada no percurso que vai do Gólgota até Massarelos, compreendendo pontos como a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, a Casa da Agustina Bessa-Luís e outras casas burguesas e bairros de operários. Todo o conjunto é envolvido por uma mancha densa de verde e, ao fundo, o rio Douro.

O terreno era em declive, estendendo-se por três patamares desde a casa original com quatro pisos, porém, pequena para atender às necessidades da família, então a arquiteta propôs a ampliação da área através da introdução de dois novos elementos: um volume para extensão da área da habitação e uma piscina.

Assim, um adendo acoplou-se à casa, todo construído em madeira e vidro, para abrigar a área social proposta no projeto: hall de entrada, cozinha e sala de apoio da piscina. Desta forma a família teve sua privacidade preservada na área íntima, que ocupa toda a casa original já restaurada.

Todos os muros do perímetro foram recuperados, assim como os muros de contenção dos patamares e do jardim, preservando as espécies existentes e incorporando outras que acordo da especificidade do local.

A piscina foi projetada de forma a não alterar a topografia do terreno. O resultado global revelou-se bastante harmonioso e os novos elementos adicionados são praticamente invisíveis para quem circula pelos Caminhos do Romântico.

Esta intervenção, além acomodar confortavelmente a família, promoveu a recuperação do patrimônio de uma edificação oitocentista, respeitando a especificidade do lugar e do próprio Plano Diretor Municipal.