27/06/2020 — Texto: Bruna Paranhos | Fotos: Nathalie Artaxo

Arquitetas dão dicas para quem tem pouco espaço e quer adequar sua casa para mais tempo de trabalho em home office

Com a pandemia do Covid-19, temos que pensar no “Novo Normal”: o escritório em casa. Por isso, é hora de pensar nas adaptações para essa nova rotina: um espaço para home office, áreas para as crianças e mais conforto. É o que explica a arquiteta Amanda Mori, da Go Up Arquitetura. “Com certeza o conforto será visto de outra forma, as pessoas sempre associaram conforto a luxo, porém com a permanência e vivencia nos espaços cada vez menores e mal utilizados faz com que as pessoas repensem a relação delas com a casa e percebam que conforto é diferente de luxo, enquanto o conforto é essencial para uma vida bem vivida, o luxo é essencial para poucos”, ressalta.

 

Entre os ambientes mais promissores de transformações pós pandemia estão os home office, as áreas para os filhos brincarem e o acesso ao lar, que passa a ser pensado com muito mais funcionalidade e atenção do que era antes da Covid-19. “Antes da pandemia, poucos clientes se preocupavam em deixar o sapato, lavar as mãos e higienizar os produtos trazidos da rua. Hoje, vemos essa demanda exponenciar nas nossas reuniões de briefing, o que sugere uma nova tendência de viver em casa”, explica a arquiteta e responsável por projetos da Go Up, Juliana Silva.

Dicas para transformar um espaço em home office

Antes de definir um local ideal para o escritório, é importante lembrar que cada pessoa é única e que todo trabalho pode demandar um estímulo diferente que influencia no espaço. “O bacana de poder trabalhar home office é exatamente isso. Poder personalizar seu espaço de trabalho transformando-o em um foco de produtividade”, explica Amanda Mori.

O melhor local é aquele que você se sente bem e que te limite das distrações improdutivas. Ter um local fixo, como um cômodo dedicado para fazer uma sala de escritório é super bacana, mas não é a realidade da maioria das casas que, com espaços enxutos, muitas vezes precisam ter mais de uma função. “Como dica para resolver essa questão mais desafiadora, sugerimos trabalhar com espaços multifuncionais, com mini armários, gavetas em que seja viável guardar os objetos de trabalho quando esse espaço mudar de função”

O mais importante para um local de trabalho prolongado é pensar na ergonomia. Normalmente a mesa de jantar é a predileta para esse esporádico uso, mas o ideal é trocar a cadeira por não ter a altura ideal.  A altura mais ergonômica para uma mesa de trabalho é de 75 centímetros. Se for para trabalhar em pé, o ideal é 90 centímetros. É importante também iluminar bem o local, evitando fadiga visual e acidentes. O mobiliário deve ser ergonômico prioritariamente, mas encontrar uma harmonia neste mobiliário com o restante da casa e da decoração é fundamental para que o home office mantenha a função desejada de forma prolongada, sem agredir e atrapalhar o conforto e usabilidade do restante do lar. “Para encontrar os móveis ideais, sugerimos sempre testar in loco, especialmente cadeiras de trabalho que podem ser bastante pessoais. Porém, caso não seja possível, especialmente neste momento, busque sempre na etiqueta o selo de ergonomia”, indica Juliana Silva

Paleta de cores para home office

Nas paredes, cores mais fechadas e frias são as mais indicadas para compor o ambiente, pois além de neutras, elas proporcionam conforto visual e emocional momentâneo em contraste com o brilho das telas do computador e celular. “Psicologicamente, as pessoas tendem a associar o verde a sensação de tranquilidade, azul com paciência e serenidade, amarelo, criatividade, entre tantas outras coisas relacionadas ao “se sentir bem” de cada um”, explica a arquiteta.

Iluminação ideal para home office

Sobre a iluminação, alguns cuidados são importantes: em espaços com luz natural, o ideal é investir um uma cortina para controlar a iluminação. “Outro ponto é verificar se a luz está vindo da esquerda ou direita, pessoas destras devem receber a iluminação da esquerda para a direita, e pessoas canhotas, da direita para a esquerda, isso por que a mão pode fazer sombra, dificultar o trabalho e gerar um cansaço visual maior”, explica Mori.

 

Quando a luz é artificial, o ideal é optar por luzes brancas, que possuem maior quantidade de azul em seu espectro e, por isso, inibem a produção de melatonina, aceleram o metabolismo e deixam as pessoas mais despertas e consequentemente mais produtivas. ”Em caso de home office integrado a outros ambientes do lar, uma boa solução é utilizar uma luminária de mesa”, fala Juliana.

Dica importante: “Observamos que, para entrar num ciclo de relaxamento após parar de trabalhar, é importante desligar as luzes brancas e dar preferência ao ambiente mais escuro “mea luz” ou com luzes amarelas, que terão o efeito contrário” finaliza Amanda Mori.

 

Para saber mais, acesse: Go Up Arquitetura