03/11/2016 — Texto: Marqueterie | Fotos: Daniel Ducci

Reforma do Palácio da Justiça foi focada na resistência e imponência da obra, restaurando a glória com que o edifício foi criado, em 1933.

O escritório Kruchin Arquitetura, conhecido por sua experiência na área de preservação e restauro, e empresa líder do Consórcio Argeplan-Kruchin-Kiefer, é o responsável pelo projeto do Palácio da Justiça de São Paulo, sede do Judiciário paulista e patrimônio arquitetônico da cidade. As obras, que tiveram início em 2013, foram finalizadas em outubro de 2016.

O Palácio da Justiça, monumento histórico de grande significado cultural, foi erguido entre 1920 e 1933, obra do Escritório de Ramos de Azevedo, tendo como referência direta o Palazzo di Giustizia de Roma. Em 1981 o prédio foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat).

Durante os três anos de obras foram restaurados alguns dos principais ambientes do edifício, como a antiga Sala de leitura da biblioteca, a Sala das Becas e o Salão da Plenária, além dos forros do 6º andar e das coberturas. Também foram recuperados os vitrais e as pinturas decorativas das paredes.

No projeto de Samuel Kruchin, titular da Kruchin Arquitetura, a ideia principal foi a de resistência.

“Parece-me que sua ossatura, sua opulência, sua escala e sua solidez, sem ignorarmos o apego à tradição de seus ocupantes, possibilitou que esse prédio atravessasse um extenso período, mantendo a integridade de seus componentes, de seus ambientes, permitindo um trabalho intenso e acurado de restauração”, afirma Kruchin.

www.kruchin.arq.br