08/03/2018 — Texto: Habitare | Fotos: Divulgação

Na luta pela igualdade dentro da arquitetura.

Você sabia que o Brasil possui 144.089 arquitetos e urbanistas ativos e registrados no CAU e a maioria são mulheres?

Cerca de 62% (89.867) dos cadastros são delas, enquanto 38% são homens (54.222). Essa predominância tende a aumentar nos próximos anos, uma vez que a parcela de mulheres entre os profissionais mais jovens é bem maior.

Na faixa até 30 anos, as mulheres representam 73% do total de arquitetos e urbanistas. Ou seja, a cada quatro arquitetos, três são mulheres. Elas são maioria em todas as faixas etárias, exceto acima de 60 anos, em que 64% dos arquitetos e urbanistas são homens.

No entanto, as mulheres ainda são discriminadas no local de trabalho, enfrentando uma batalha diária pelo respeito no escritório, no canteiro de obras e em todo o meio. Ainda é em grande parte um campo dominado pelos homens, e ver uma mulher no local de trabalho ou em uma grande reunião não é tão comum.

“Todos os dias, eu tenho que lembrar a alguém que, de fato, sou uma arquiteta. E às vezes não apenas uma arquiteta, mas a arquiteta.” disse Yen Ha, em entrevista para o New York Times.

Esses sentimentos são compartilhados por muitas mulheres, independente de sua experiência. Uma grande referência da arquitetura mundial, Zaha Hadid, era bem conhecida por lamentar a falta de igualdade de gênero dentro da arquitetura, afirmando que, apesar das campanhas contra a discriminação no local de trabalho, ainda é um mundo dominado pelos homens.

Apesar dos passos na direção certa, as denúncias de Zaha Hadid são a prova de que ainda é preciso fazer mais para lutar pela igualdade na arquitetura e no setor de construção. Nós, da Habitare, acreditamos na igualdade social e política entre os gêneros e, pensando nisso, destacamos 14 mulheres do presente e do passado que mudaram de várias maneiras a forma como pensamos sobre a arquitetura.

Alison Brooks

Com uma abordagem que une a escultura e a arquitetura, Alison Brooks é uma das arquitetas mais originais da Grã-Bretanha. Em 2013, recebeu o AJ Woman Architect of the Year Award. Um dos juízes, Paul Monaghan, aplaudiu a escolha, explicando que “sua mistura de escultura e arquitetura é o que a fez ser uma força tão poderosa na arquitetura britânica”.

Allison Williams

Ao longo de sua carreira, Allison Williams trabalhou em muitos grandes projetos nas empresas mais importantes do mundo, incluindo Perkins + Will e AECOM , de São Francisco , onde atualmente atua como Diretora de Design.

Seus edifícios mais conhecidos, como o Centro August Wilson para Cultura Afro-Americana em Pittsburgh, ilustram seu compromisso de maximizar o potencial do local onde a obra está inserida. O August Wilson Center, por exemplo, é espaçoso, aberto e luminoso apesar de estar situado em uma esquina estreita.

Annabelle Selldorf

Com Annabelle Selldorf, tudo está nos detalhes. Paul Goldberger, antigo crítico de arquitetura do New Yorker, descreveu seu estilo como “…uma espécie de modernismo gentil de extrema precisão, com proporções perfeitas”. Em suas palavras, Selldorf descreve seu trabalho da seguinte maneira: “Procuro um certo tipo de lógica que permite que você se mova no espaço e perceba sua beleza e racionalidade”.

Jane Drew

Jane Drew (1911 – 1996) foi uma arquiteta inglesa que desafiou as convenções não apenas por ser uma arquiteta feminina proeminente – o que foi notável o suficiente na Grã-Bretanha do meio do século – mas também como uma defensora do Modernismo. Com interesses sociais e internacionais, a extraordinária carreira de Drew a levou a assumir grandes projetos na África Ocidental, na Índia e no Irã, além de sua Inglaterra natal. Em suas palavras, ela projetou “de tudo, das cozinhas em diante”, sempre com o objetivo de combinar forma e função.

Jeanne Gang

Fundadora do Studio Gang em Chicago, Jeanne Gang é uma das principais arquitetas da América. Seu arranha-céu de 82 andares, Aqua, está situado em Chicago, uma metrópole conhecida por suas torres icônicas. Embora ela seja tão visionária quanto qualquer outro arquiteto que tenha deixado sua marca em Chicago, a filosofia de Gang abraça a humildade e a mente aberta. “As boas ideias vêm de toda parte”, disse uma vez. “É mais importante reconhecer uma boa ideia do que torná-la sua”.

Kazuyo Sejima

Kazuyo Sejima, da SANAA, é uma arquiteta que entende o quanto pode ser feito com simples elementos geométricos. O seu design para o The New Museum em Nova York é um exemplo disso: enquanto o projeto é minimalista – uma série de cubos empilhados – o seu arranjo deslocado garante o título de um dos edifícios mais marcantes do Bowery, ao sul de Manhattan.

Lilly Reich

Lilly Reich (1885 – 1947) foi uma designer modernista alemã mais conhecida por suas colaborações com Mies van der Rohe. Muitas pessoas não sabem que ela foi uma co-criadora completo – não apenas uma colaboradora – no design da cadeira Barcelona, uma peça que continua sendo um símbolo de elegância e sofisticação. “Tornou-se mais do que uma coincidência de que o envolvimento e o sucesso de Mies no design de exposições começaram ao mesmo tempo que seu relacionamento pessoal com Reich”, disse Albert Pfeiffer, vice-presidente de Design e Gestão da Knoll.

Lina Bo Bardi

Lina Bo Bardi (1914 – 1992) foi uma arquiteta brasileira nascida na Itália, mais conhecida por seu uso expressivo de materiais e sua exploração ao longo da vida das possibilidades sociais do design. Expressou sua sensibilidade única nas afamadas obras do MASP (Museu de Arte Moderna de São Paulo), a Casa de Vidro (1ª residência construída no bairro do Morumbi, em São Paulo), e sua obra-prima, SESC Pompeia, projeto de requalificação de uma antiga fábrica de tambores convertida em um complexo de lazer, com passagens aéreas e vigias assimétricas no lugar das janelas, um ícone da arquitetura moderna e brutalista nacional.
Leia mais sobre a Lina Bo Bardi.

Liz Diller

Sócia fundadora da célebre empresa Diller Scofidio + Renfro, Liz Diller tem estado na vanguarda da arte e do design desde o final dos anos 70. Com projetos conceituais como o Blur Building – uma nuvem habitável e artificial que serviu de pavilhão de mídia durante a Swiss Expo 2002 – e marcos funcionais como o Instituto de Arte Contemporânea de Boston em seu portfólio, os projetos de Diller garantiram sua reputação de inovação.

Diller credita seu passado como artista por sua capacidade de permanecer livre de convenções arquitetônicas estabelecidas. “Os primeiros anos me deram a oportunidade de assumir uma posição crítica e desafiar o que é a arquitetura e como ela pode interagir com outras disciplinas”, explicou. “Eu não poderia ter começado construindo prédios imediatamente”.

Marion Mahony Griffin

Há pioneiros, e depois há Marion Mahony Griffin (1871 – 1961), uma das primeiras arquitetas licenciadas do mundo. Como membro fundador da Prairie School, Mahony Griffin trabalhou com Frank Lloyd Wright e Walter Burley Griffin, a quem mais tarde se casaria. Com Burley Griffin, ela ajudou a planejar a cidade de Camberra , capital da Austrália, seguindo os princípios de design da Prairie School.

Maya Lin

Arquiteta, escultora e paisagista, a carreira de Maya Lin foi marcada pela conquista em diversos campos. No entanto, ela é mais conhecida por um projeto que ela concebeu enquanto ainda estudante: o Memorial dos Veteranos do Vietnã em Washington, DC. Uma área de dois acres, enquadrada por um muro que mostra os nomes de todos os soldados americanos perdidos no conflito. Este monumento foi considerado controverso na época devido ao seu minimalismo.

Hoje, é amplamente visto como uma obra-prima, um tributo não sentimental a um conflito que deixou uma cicatriz profunda e duradoura nos Estados Unidos. “A definição de uma abordagem moderna da guerra”, disse ela, “é o reconhecimento das vidas individuais perdidas”.

Odile Decq

Odile Decq é uma arquiteta cujo trabalho dialoga com a nossa imaginação. O seu Phantom Restaurant, na célebre Ópera Garnier de Paris, é um estudo contemporâneo, com formas biomórficas vermelhas e brancas em contraste ao teto abobadado da ópera. No “Phantom Restaurant”, estilos antigos e novos participam de uma espécie de dança, onde as curvas suaves do mezanino flutuam acima dos clientes do restaurante, cobrindo o espaço com uma superfície que se dobra e ondula. Na verdade, a ousadia é uma pedra angular do conjunto de trabalho de Decq, que oferece uma forte repreensão à ideia de que a elegância é definida pela restrição.

Ray Eames

Junto com seu marido, Charles Eames (1907 – 1978), Ray Eames (1912 – 1988) consolidou o design modernista para uma geração de americanos. Além da icônica cadeira de estar Eames, a dupla é conhecida por construir a Casa Eames em Los Angeles, feita inteiramente de peças de aço pré-fabricadas destinadas à construção industrial. O prédio, que servia de lar e estúdio do casal por décadas, foi construído em poucos dias, consolidando a ideia de eficiência e qualidade.

Zaha Hadid

Quando Zaha Hadid faleceu, ela era uma das arquitetas mais conhecidas e mais amadas do mundo. Seu trabalho, com suas linhas ousadas e sua expressividade escultural, é poderoso o suficiente para transformar qualquer um em um fã de arquitetura. A visão única de Hadid permitiu-lhe utilizar as tecnologias digitais e visuais ao máximo, criando edifícios que só podem ser descritos como inovadores. Zaha Hadid afirmava que não queria virar um símbolo de progresso para as mulheres em sua profissão. Mas, inevitavelmente, ela virou. “Eu não acho que você pode ensinar arquitetura”, ela disse uma vez, “você só pode inspirar as pessoas”.

Leia mais sobre a Zaha Hadid.