25/11/2016 — Texto: Fabio Romele | Fotos: Jaime Jacott

Natureza inspira arquitetura orgânica e ecológica no México.

Você que está lendo esta matéria já se imaginou quando criança viver num conto de fadas? Morar numa casa em forma de concha ou cogumelos? E em contato com a natureza? Se sim, essa é a casa feita para você. Esta incrível casa foi construída em 2006 pelo ateliê Arquitectura Organica, com concepção do arquiteto mexicano Javier Senosiain. Conhecido por inspirar-se na Natureza em suas criações, ele presenteou a Cidade de Naucalpan de Juarez, no México, com uma casa ecológica, que regula sua temperatura interna graças ao design e ainda tem uma estrutura capaz de suportar terremotos.

Os privilegiados? Um jovem casal da Cidade do México com seus dois filhos, que, depois de viverem em uma casa convencional, decidiram mudar para um local integrado à natureza. O objetivo do projeto era se fazer sentir como o morador interno de um caracol, como um molusco, podemos assim dizer, movendo-se de uma câmara para outra, como um morador simbiótico de um enorme fóssil claustro materno.

Concebida como uma concha em espiral, como a de um caracol, nenhuma de suas paredes é reta. O arquiteto levou em conta as necessidades dos futuros habitantes da casa e também a própria influência do espaço sobre quem o ocupa.

Assim, os ambientes são aconchegantes e acolhedores, marcados por muitas plantas, iluminação natural, vitrais que fazem um interessante jogo de luzes e muita fluidez na construção. A sala de estar, por exemplo, emerge do interior do jardim e a mesa da sala de jantar é puxada da própria parede.

Como base disso tudo está uma forte estrutura de cimento e aço que tem boa resistência a tremores de terra. O seu  sistema de ventilação permite ainda que a temperatura ambiente se adeque às estações do ano. Quando se abre a porta e o ar entra, fica mais frio ou mais quente conforme seja verão ou inverno.

Sua filosofia promove a harmonia entre o habitat humano e o mundo natural. Através de projetos complexos, busca compreender e integrar, no mesmo ambiente, casa e natureza.

O piso, o teto e as paredes, juntamente com os móveis, funcionam como um casulo de concreto: dão forma espiral à estrutura. Tudo remete às características de uma casca: resistência, abrigo, proteção.

Nas palavras do arquiteto, o homem não deve se separar de seus impulsos primais: “O seu ser biológico deve lembrar que a busca de sua casa não pode ser separado de suas raízes”, explica. Desde sua criação, essa corrente de pensamento calcada no amor e no respeito pela natureza ganha cada vez mais força e adeptos pelo mundo.