Apartamento com reforma atemporal, contemporâneo chic, mantendo o ar retrô da arquitetura original do prédio, erguido em 1929

O projeto de reforma e decoração em estilo atemporal, contemporâneo chic, para o apartamento de 180m² com pé-direito alto, no Flamengo, Rio de Janeiro, é assinado pelas arquitetas Cristina e Laura Bezamat, do escritório carioca Bezamat Arquitetura.

Localizado em um prédio super charmoso de 1929, o apartamento pertence a um casal de advogados na faixa dos 50 anos, com um filho pequeno. O projeto de reforma e decoração levou seis meses para ser integralmente executado.





Não foram feitas modificações na planta do imóvel. Antes da dupla de arquitetas trabalhar o imóvel, este apartamento já havia sofrido uma reforma, então não foi feita uma nova distribuição dos ambientes. O imóvel possui living, sala de jantar, lavabo, 2 quartos, 1 escritório, 2 banheiros, cozinha com copa e anexos de serviço.



O resultado final tem uma pegada retrô, em sintonia com a arquitetura original do prédio. Os três quartos do imóvel foram mantidos, mas um deles ganhou função de home office.

Além de renovar completamente a decoração de todos os ambientes, as arquitetas melhoraram o layout do living/sala de jantar, criaram um novo lavabo e decoraram o quarto do filho como prioridade.





No quarto do casal, um banco de marcenaria com futon foi projetado para preencher todo o espaço de recuo de uma das janelas, ganhando ares de baywindow.





No décor acolhedor, chama a atenção o piso original em taco de madeira clara e escura, que foi preservado, mantendo as diferentes paginações dos cômodos. Apenas a cozinha e área de serviço do imóvel não foram trabalhas pelas arquitetas.

A paleta de cores escolhida é em tons de cinza, que é a cor predileta dos clientes. Como detalhe, foi inserido o tom de damasco para a laca do rack da TV, conferindo o ar contemporâneo chic.

Foi um projeto interessantíssimo de ser criado pelas características únicas do edifício. A oportunidade de criar uma decoração contemporânea numa arquitetura do início do século 20 nos desafiou a pensar soluções que integrassem os dois momentos do imóvel. Utilizar mobiliário contemporâneo sobre os pisos de tacos trabalhados em claro e escuro, o pé direito generoso e esquadrias com desenho clássico foram desafios cujos resultados nos deixaram muito felizes”, afirmam as arquitetas.