Texto: Fabio Romele

Paris, uma das mais belas cidades do mundo, está prestes a ficar ainda mais atraente. Uma nova lei adotada, lei “Permis de végétaliser” (ou licença para vegetar), permite e também incentiva os parisienses a terem suas próprias hortas urbanas, com licenças de três anos renováveis para o cultivo de hortaliças, frutas, flores e outras plantas em paredes e telhados da cidade.

As hortas urbanas modernas em território francês surgiram na década de 90, na cidade de Lille, no entanto, a inspiração veio da cidade de Montreal, no Canadá.

De acordo com a lei, os residentes da cidade luz se tornarão “jardineiros do espaço público parisiense”, os quais receberão kit de plantio que inclui solo e sementes para alavancar o projeto. Esses jardins devem ser mantidos utilizando apenas métodos sustentáveis, sem uso de pesticidas. Esta iniciativa faz parte do plano da prefeita Anne Hidalgo para adicionar 100 hectares (247 acres) de espaço verde para a cidade até 2020. O novo programa visa manter as suas instalações de forma sustentável, para manter a estética da cidade, podendo-se plantar apenas espécies locais. O foco do projeto é fomentar a biodiversidade, satisfazer a necessidade de espaços verdes, reduzir os efeitos da “ilha de calor” e as alterações climáticas, melhorar o conforto térmico e acústico de edifícios e melhorar a qualidade do ar.

Tal iniciativa permite que os parisienses ajudem a embelezar a cidade, melhorando simultaneamente a sua própria qualidade de vida. O programa também envolve a criação de 30 hectares (74 acres) de jardins públicos, o plantio de 20.000 novas árvores, 200 projetos de revegetação e do desenvolvimento de quintas pedagógicas, pomares e hortas nas escolas da cidade.

Em esforços contínuos para combater a poluição, o primeiro domingo de cada mês é um dia sem carro em Paris. Em março de 2016, o Parlamento francês aprovou uma nova lei exigindo que todos os novos edifícios construídos em zonas comerciais devem ser parcialmente cobertos por plantas ou painéis solares.

A França também proibiu recentemente copos, pratos e talheres de plástico, tornando-se o primeiro país do mundo a dar um passo nesse sentido.

A nova onda vem gerando concorrência entre cidades: para as mais belas varandas de cada distrito, serão concedidos 25 prêmios, e a que ganhar levará o titulo de “cidade flor”.

Quem sabe, em breve, tal iniciativa possa ser adotada nas cidades brasileiras, afinal, a natureza é muito generosa com o nosso país! Boas iniciativas são sempre bem-vindas.