Texto Francine Trevisan | Fotos Divulgação/MVRDV

A música Gangnam Style ficou mundialmente famosa em 2012, tanto pelo seu refrão pegajoso, tanto pelo vídeo sátiro que foi lançado na internet, cujos personagens encarnam de maneira caricata o jeito de ser dos emergentes da Coréia do Sul. Na verdade, Gangnam Street, que inspirou o nome da música, é uma badalada rua de Seul, onde concentram-se alguns dos mais caros shoppings e lojas da cidade, uma espécie de prima da nossa rua Oscar Freire. É naquela região que foi finalizada recentemente a mais nova obra do escritório holandês MVRDV, um dos mais criativos hoje no cenário arquitetônico.

O escritório existe desde 1993 e a sigla que nomeia a empresa é uma junção das iniciais dos sobrenomes dos fundadores Winy Maas, Jacob van Rijs e Nathalie de Vries, que juntos comandam uma equipe de 50 funcionários. O trio já esteve na lista das 10 pessoas mais criativas no mundo da arquitetura, segundo a revista americana de design Fast Company – o que não significa que sejam os melhores e mais bem sucedidos da área – mas figuram entre aqueles com as visões mais influentes e não usuais dentro da prática. Todos são professores universitários, sendo que Winy e Jacob trabalharam juntos no OMA, filial do escritório em Roterdam chefiado por Rem Koolhaas, considerado hoje o maior crítico e intelectual da arquitetura.

O edifício Chungha, na Gangnam Street, é interessante, mas não é uma das propostas mais inovadoras do escritório. O antigo espaço existente desde 1980 encontrava-se obsoleto em relação aos seus vizinhos e passou por uma reforma, onde foram alterados alguns ambientes internos, e promovida uma grande mudança na fachada. O edifício de esquina, que internamente conta com lojas e até consultório de cirurgião plástico, ganhou imensas janelas de vidro em formatos retangulares salientes e desencontrados, causando a impressão de uma modernidade despojada, não tão certinha. Estas janelas servem como vitrine de exposição dos produtos das lojas e integração entre interior e exterior. O efeito interessante é obtido através do grande investimento na iluminação com LED, que permite a mudança de cor da edificação alterando bastante sua identidade a cada matiz que brilha.

O escritório MVRDV ficou bastante famoso após a construção de um conjunto habitacional no subúrbio de Amsterdã, chamado WoZoCo’s. O programa de necessidades deveria abranger um grande número de apartamentos para idosos, porém com restrições urbanísticas de altura e taxa de ocupação do solo. A brilhante resposta do grupo foi a de criar apartamentos sobre um enorme balanço na estrutura, como caixas que saem do corpo principal do prédio e flutuam muitos metros acima do solo, conseguindo assim acomodar todos os apartamentos requisitados. Além disso, quebraram a sisudez predominante no bairro através do uso de vidro colorido nas varandinhas, criando uma identidade para cada apartamento e alegrando a fachada de maneira elegante. Esta solução foi depois copiada em vários locais do mundo, inclusive no Brasil, na av. Roberto Marinho um edifício com varandas em cubos coloridos à la MVRDV.

Outra obra recente, simples e genial, é um espaço comercial que imita uma casa de fazenda na pequena cidade de Schijndel, também na Holanda. A construção foi rápida, através do uso do aço e do vidro, porém não destoa da bucólica e histórica vizinhança, com a estampa impressa de tijolos desgastados e janelas de madeira enfeitando o exterior como um cenário mágico. O edifício é intencionalmente feito fora de escala, aparenta possuir dois pavimentos quando na verdade possui três, enquanto o tamanho das portas atinge 4 metros de altura. Este efeito é proposital para fazer com que os visitantes tenham a ilusão de que são crianças novamente. Existem superfícies transparentes nos vidros, desalinhadas com as portas e janelas impressas, para permitir que você tenha uma “visão de raio-x” do interior. Trata-se de uma obra que não é monumental, porém chama a atenção para o uso diferenciado dos materiais e das soluções, sem destoar do entorno e mesmo assim atraindo o foco das atenções.

Outro exemplo da criatividade e da capacidade técnica magistral do escritório foi a reforma que transformou dois silos de concreto gigantes silos de concreto gigantes (que armazenavam grãos no passado), em residências de alto padrão em Copenhagen, chamado de Frosilo. O local foi adaptado com alta tecnologia para abrigar unidades residenciais. O interior dos silos receberam as circulações, trabalhadas em estética minimalista com tons de branco e preto, que mais parecem cenário de ficção científica. Já as moradias foram literalmente penduradas do lado de fora dos silos, criando belos apartamentos aéreos com fachadas de vidro, auxiliando no processo de renovação desta área portuária da cidade.

Todos os projetos possuem a preocupação de aproveitar os recursos naturais da maneira mais eficiente possível. Atualmente, o grupo possui por volta de doze projetos sendo construídos no mundo, desde a sua nativa Amsterdã até a China, e tem ganhado múltiplas competições e prêmios internacionais. A arquitetura praticada pelo grupo é fascinante porque propõe soluções únicas para cada local de implantação, com inovações viáveis financeiramente e ao mesmo tempo inusitadas, até mesmo bem humoradas. A cada projeto a linguagem muda e novas soluções interessantes são agregadas, dentro de um pensamento imprevisível e surpreendente.