22/06/2017 — Texto & Fotos: Divulgação

Com o tema “Foco no Essencial”, a maior e mais completa mostra de arquitetura, decoração, design e paisagismo das Américas desafia, mais uma vez, renomados profissionais a surpreender os visitantes. A mostra de São Paulo, principal edição de CasaCor, acontece no Jockey Club São Paulo, desta vez, com uma semana a mais, de 23 de maio a 23 de julho.

Serviço:

Período: de 23 de maio a 23 de julho
Horário: Terça a domingo, das 12h às 21h
Local: Jockey Club de São Paulo
Endereço: Av. Lineu de Paula Machado, 1075 | Cidade Jardim
Ingressos:
De terça a quinta-feira
Ingresso inteiro: R$ 56
Meia entrada: R$ 28

Sexta, sábado, domingo e feriados
Ingresso inteiro: R$ 70
Meia entrada: R$ 35

Passaporte único: R$ 165
Valet: R$ 35,00

Mais Informações: casacor.abril.com.br

Casa da Mata — Olegario de Sá e Gilberto Cioni

Cada detalhe da Casa da Mata foi pensado no desejo de conectar as pessoas à natureza, seja na cidade, no campo ou na praia. Com atmosfera aconchegante, o refúgio de 200 m² apresenta uma verdadeira simbiose entre o rústico e o moderno, bem representada pelos materiais naturais brutos empregados de diferentes maneiras, como é o caso da madeira e da pedra, e tecnológicos, como vidros e espelhos. No coração da casa, uma das soluções arquitetônicas que surpreendem é uma grande caixa de espelho com 2 m de altura delimitando a área íntima da ala social.

Casa Niwa — Yamagata Arquitetura

Com aproximadamente 185m², o ambiente projetado pelo escritório carioca com filial na capital paulista, esbanja contemporaneidade e apresenta uma arquitetura funcional e elegante. Totalmente integrado ao jardim, projetado em parceria com o paisagista Alex Hanazaki, traz um conceito minimalista, afetivo e com toques orientais. Voltada para o convívio com a natureza, sob a sombra de magnólias e bambus, a residência é inundada pela luz natural, o que cria uma atmosfera calorosa, confortável e garante a sensação de bem-estar. Um grande vão absorve o living, sala de jantar, cozinha e a suíte, promovendo a integração total dos ambientes.

Casa de Praia Decortiles — Marina Linhares

Uma casa repleta de referências nacionais, que remete ao encanto paradisíaco, às cores vibrantes e à brisa refrescante das praias brasileiras. A Casa da Praia Decortiles, ambiente fruto da parceria entre a designer Marina Linhares e a marca de revestimentos, é uma curadoria do afeto. Como ponto de partida, o projeto de 243m² conta com o azul e o branco, tonalidades que apontam para o mar e o verão e que definem toda a paleta e a atmosfera do espaço. A pureza dessas duas cores é explorada na composição dos revestimentos, com azulejos, porcelanatos e ladrilhos hidráulicos em todo o projeto. As diferentes nuances das duas tonalidades também se encontram presentes em outros materiais, acabamentos, tecidos e objetos, permeados pelo tom natural da madeira, do junco e da palhinha.

Casa Cosmopolita Cosentino — Paola Ribeiro

Com 180m², o espaço é uma casa completa, bem iluminada, ventilada e integrada a um jardim deslumbrante do paisagista Rulian Nociti. Cheia de luz e verde, a casa apresenta em espaços amplos e integrados, uma mistura de referências clássicas e contemporâneas, que convivem harmoniosamente, tornando os ambientes aconchegantes, marca registrada da designer. A decoração teve uma leva inspiração nos anos 70 e traz o uso do dourado nos acabamentos.

Casa Grafismo — Léo Shehtman

Com 116m², o espaço, dividido entre living e área gourmet, foi inspirado no princípio da filosofia chinesa do Yin e Yang, que descreve a dualidade de duas energias opostas que, apesar de contraditórias, são complementares. Partindo dessa premissa, o profissional utilizou o contraste entre luz e sombra, claro e escuro e presença e ausência, tudo em harmonia, para criar uma realidade tangível ao olhar e ao sentir.

Casa do Mar — Andrea Teixeira e Fernanda Negrelli

Tendo em mente a ideia de praias paradisíacas com inspiração asiática como cenário e paisagem, o ambiente idealiza um refúgio caiçara, de natureza rústica, que exalta sofisticação com o uso de materiais naturais. Com poucos móveis – contando apenas com o necessário –, a sala de estar traz adega e uma bela e imensa lareira que, nos dias frios, se torna o canto perfeito para degustar bons vinhos. O quarto tem piso de madeira de demolição e elementos lúdicos que garantem ainda mais a sensação de relaxamento. Além disso, um pequeno escritório também integra o espaço e foi criado para atender às necessidades do casal quando quer fazer algum tipo de leitura, estudo ou trabalho.

Casa de Vidro Renault — Alexandre Dal Fabbro

O espaço tem como premissa a integração do ambiente interno com a área externa. Inspirado na arquitetura dos anos 40 de Richard Neutra, Alexandre cria um volume arquitetônico com uma estrutura metálica leve, marcada por planos lineares e grandes panos de vidro que permitem a visão do jardim vertical, do terraço e da garagem Renault, todos concebidos por Dal Fabbro e recheados com os jardins de Bia Abreu, totalizando uma área de 180m². Os quatro adjetivos para o conceito do projeto foram: sofisticado, contemporâneo, funcional e aconchegante, pensados para um estilo de vida urbano que busca espaços utilizáveis e multifuncionais.

Jardim da Casa de Vidro Renault — Bia Abreu

Tropical, contemporâneo e masculino são as características mais marcantes do jardim que Bia leva para a mostra. A arquiteta emoldura o Jardim da Casa de Vidro e as paredes do Jockey com uma elegância ímpar. O jardim torna-se um local de refúgio, envolto por poltronas, lareira e plantas naturais, como samambaias, lambaris, aspargos e véus-de-noiva. Vasos em cilindros comportam plantas aquáticas e pedras pretas fazem o desenho do ambiente. Uma jabuticabeira e palmeiras chamaedoreas finalizam a “mini mata”, com destaque para a palmeira laca com seu tronco vermelho que salta aos olhos. Já no interior da garagem, uma trama com marantas, alocasias e outras plantas traz vida ao espaço, que respira leveza na cidade intensa.

Casa Cosmos — Michel Safatle

Cada canto deste projeto foi pensado para a necessidade de conviver com o essencial, aquilo que faz sentido, que possui relevância, verdade, e que já teve seu valor legitimado pelo tempo. Com vista privilegiada, a casa mostra uma atmosfera que emociona e que possui uma mensagem sedutora, escrita através dos dois altares, simétricos, que rasgam as paredes laterais deste volume e que expõem arte, passando por esculturas 70’s de Toyota, pela geometria de Cruz Diez, por uma delicada sequência de papéis atribuídos a Isamu Noguchi, um interessante mapa garimpado na italiana Pettinaroli, até atingir o seu ponto alto em um ensaio de moda concebido pelo arquiteto.

Casa Sustentável — Mariana Crego

Uma viagem à Tailândia serviu de mote para o ambiente de 63m². A arquiteta optou pela madeira de reflorestamento como método construtivo, matéria-prima em abundância no Brasil. O espaço discute ainda a importância da preocupação com o processo químico dos materiais. Importante também pontuar que uma casa sustentável não precisa seguir o estereótipo “hippie”, mas que, se seguir as normas corretas, a sustentabilidade pode se adaptar ao estilo e gosto de qualquer morador. A faixa de vidro divide o módulo do quarto com a sala, criando volumetria na arquitetura e mostrando que a habitação pode ser modulada. A sala de jantar fica alocada na varanda, uma forma de brincar com os espaços e mostrar o cômodo grande, mesmo em uma morada pequena.