22/08/2017 — Texto & Fotos: MD Assessoria & Comunicação

Não é de hoje que os olhares mais atentos se voltam para um efeito interessante na decoração: a harmoniosa composição de cores, num efeito zigue-zague perfeito. Aqui, ele ganha duas padronagens distintas e popularmente conhecidas como “espinha de peixe” e “chevron”.

A designer de interiores Tássia Pereira explica que a padronagem foi muito utilizada na década de 1950 nas passarelas. “O estilo foi criado pelo estilista Ottavio Missoni, que revolucionou a moda pelo uso de suas estampas ousadas, facilmente reconhecíveis pela malha colorida em zigue-zague. Um clássico na moda e, hoje, em alta também na decoração”, conta.

Embora parecidos, na decoração temos dois estilos que ganham destaque pela aplicação. O corte do ‘chevron’ é angular e encaixa-se perfeitamente na montagem e as pontas terminam juntas. Já a ‘espinha de peixe’ é aplicada uma abaixo da outra, dando a clara alusão ao seu nome, onde as pontas são perpendiculares uma na outra. Na prática a diferença fundamental entre eles se encontra no alinhamento.

Essa composição é um excelente artifício da decoração para todos os ambientes da casa. Além de agregar valor criativo, ele desperta os olhares para sua aplicação, composta geralmente por duas cores, desde o clássico preto e branco e os coloridos exuberantes aos monocromáticos e tons sobre tons.

Mas, onde colocar? A tendência da padronagem é utilizar a sua composição em pisos e paredes. Os formatos das cerâmicas menores, geralmente, são mais utilizadas em paredes, em contra partida, o formato das réguas maiores cabem muito bem para o piso.

E engana-se quem pensa que a padronagem não pode ser usada em qualquer estilo de decoração. “O Chevron é muito versátil. Ele pode ser usado em todos os tipos de ambientes, desde os mais clássicos, até os mais modernos”, revela a designer de interiores Tássia Pereira.

www.tassiapereira.com.br