Texto: Publicar Assessoria | Fotos: Nando Carvalho

Um jovem casal, sem filhos, procurou pela arquiteta e designer de interiores Fernanda Hoffmann para transformar o apartamento recém-adquirido na Mooca, bairro da Zona Leste de São Paulo, sem gastar muito. A proposta era aproveitar a estrutura atual do imóvel usado de 122 m2 de área construída, distribuídos em 12 cômodos, utilizando alguns móveis da antiga residência.

“O maior desafio deste projeto de reforma e interiores foi executá-lo com os clientes morando dentro do imóvel, que estava bem gasto, com piso laminado deteriorado, cerâmicas ainda originais nos banheiros e terraços, com a bancada nova em granito trocada pelo antigo morador. O forro de gesso foi mantido por estar em bom estado e parte da marcenaria foi retirada para dar lugar a móveis mais atuais”, pontua a profissional.

De acordo com Fernanda, não houve alterações na alvenaria.

“Optei por trocar pisos e revestimentos antigos por tacos de madeira, porcelanatos e pastilhas; aproveitei o forro de gesso, mas precisei completar molduras em alguns lugares, criar cortineiros e abrir rasgos para embutir a marcenaria. Boa parte da marcenaria foi aproveitada, mas muita coisa nova foi feita, como os gabinetes dos banheiros, terraço e toda a sala e home office”.

O taco de madeira palito de cumaru foi escolhido para aquecer os quartos, e o porcelanato com um leve marmorizado ganhou a vez nas áreas sociais – sala e terraço – por causa da cachorrinha, animal de estimação dos clientes, oferecendo praticidade na hora da limpeza. Nas paredes, Fernanda elegeu cores neutras nas paletas entre bege e cinza para ser atemporal, destacando os revestimentos geométricos no terraço – uma tendência – e o cimentício em relevo na sala de jantar, usados para quebrar a monotonia.

Na suíte do casal a preferência era uma TV que não ficasse aparente, por isso o aparelho foi embutido atrás do espelho da penteadeira. Um abajur e um pendente com lâmpadas incandescentes compõem a iluminação do ambiente.

Como o forro foi aproveitado em quase todo o apartamento, o projeto luminotécnico quase não sofreu alteração.

“Apenas acrescentei um lustre sobre a mesa de jantar com lâmpada palito e um abajur na mesa lateral com lâmpada de LED. No terraço, era proibido alterar as luminárias pelo padrão da fachada imposto pelo condomínio. E, para fechar a decoração do imóvel, usei plantas artificiais na sala e na área externa”, finaliza Fernanda.

Fernanda Hoffmann
www.fernandahoffmann.com.br