06/11/2016 — Texto: Sandro Prezotto | Fotos: Elson Yabiku

Uma planta funcional em que a casa, de maneira geral, tivesse todos os ambientes da área social e de lazer voltados para piscina.

Com esse propósito em vista, a arquiteta Maria Helena de Sá Del Fiol desenvolveu o projeto desta residência para uma família composta por um casal com um filho adolescente.

“Por conta da posição do terreno, com relação ao sol, a casa foi configurada em forma de L, o que permitiu proteger a área gourmet da incidência do sol poente. Os moradores desejavam uma casa prática, porém atenta aos detalhes que enriquecessem o projeto”.

“Como no terreno havia um declive, aproveitamos essa característica para brincar com o pé direito das salas, que ficou mais alto. Criamos alguns degraus no interior da casa para evitar grandes aterros”.

O planejamento dos ambientes foi pensado de maneira setorizada. A área íntima ficou mais reservada, assim como o setor de serviços. “Buscamos a total integração entre os ambientes sociais (sala de estar, jantar e cozinha gourmet interna) com a área de lazer”.

A arquiteta conta que optou, por desejo dos clientes, por uma volumetria de linhas horizontais marcantes e uma fachada mais limpa e minimalista, sem aberturas ou revestimentos. “Trabalhei as linhas retas, resultando em um volume puro e horizontal. A graça da fachada ficou por conta dos vasos vietnamitas vermelhos que, à noite, quando iluminados, geram uma sombra das plantas no volume de alvenaria logo atrás”.

Com pé direito mais alto que os demais cômodos da casa, Living e Sala de Jantar são amplos e totalmente integrados. “Para garantir o conforto desses espaços, optamos por trabalhar com mobiliários de cores mais agradáveis. O Home também tem um visual clean e moderno, mas que conserva o aconchego que uma sala de TV pede”.

Segundo Maria Helena, a proposta da cozinha era que ela fosse integrada à área social, visando a convivência entre as pessoas em um dia de um jantar, por exemplo. “Por isso seguimos a mesma linguagem nesses ambientes, que juntos formam um só”.

No Gourmet, a arquiteta garantiu a integração do espaço à casa, mas se certificou de que sua utilização não interferisse com a privacidade. “Dessa forma, os espaços se unem através de uma pérgola coberta, que também facilita o acesso em dias de chuva”.

“Penso que as suítes são os espaços ideais para que as pessoas expressem sua individualidade. Assim fica mais fácil escolher a formatação que agrade cada usuário, o revestimento preferido ou a iluminação ideal. Lógico, que isso ocorre de uma forma que não destoe da linha seguida para os outros espaços”.

Para os acabamentos, o projeto deu preferência a uma padronização de revestimentos, principalmente para o piso. Salas de estar, cozinha, área de serviço e lavabo receberam o mesmo porcelanato, assim como a madeira escolhida para todos os dormitórios. “Nos banheiros pudemos ousar um pouco, deixando cada um deles com um visual diferente”.