17/03/2017 — Texto: Sandro Prezotto | Fotos: Elson Yabiku

Projeto cria ambientes contemporâneos que podem ser compartilhados em harmonia.

Com a correria e agitação da vida moderna, as pessoas acabam muitas vezes se isolando, mesmo quando todos estão em casa. “É muito comum alguém estar na cozinha enquanto alguém está no computador, outro usando o celular… Estas coisas não vão mais mudar, mas podemos projetar casas que permitam às pessoas fazer as suas atividades individuais compartilhando visual e acusticamente os mesmos espaços”, declarou a arquiteta e urbanista Ludmila Moron, do escritório MoronCavallete.

Nesta residência, o projeto recebeu linhas contemporâneas para um visual limpo e que revelasse as intenções de cada ambiente. Os moradores são um casal na faixa dos 30 anos, muito solares, que pretendem ampliar a família em breve. Além da integração dos ambientes, os clientes pediram uma atenção especial à porta de entrada, ambientes claros, espaços ajardinados, portas e passagens amplas, um depósito/oficina, espaço para os cachorros, sistema de reaproveitamento para água de chuva e uma escada em arco.

A distribuição dos ambientes contemplou três suítes com varanda e um mezanino com sala de leitura e escritório no andar superior. No térreo, além da garagem com depósito, temos sala a integrada com 3 ambientes (jantar, estar e TV), lavabo, cozinha com despensa e gourmet.

Em um bloco externo, estão a lavanderia, depósito/oficina, banheiro de serviço e uma pequena varanda que serve de ampliação para a oficina, bem como de área protegida para os cachorros. “A área de serviços isolada do restante da casa é uma constante em nossos projetos, pois consideramos importante que a lavanderia tenha seu lugar separado, preservando o espaço de lazer”, explicou Tiago Cavallete, sócio de Ludmila no MoronCavallete.

Nesta residência, esse conceito pôde ser ampliado pela necessidade do depósito/oficina, formando um bloco completo de serviços. “O recuo lateral dos dois lados da casa permitiu um acesso de serviços e um social. Com isso, a área social se consolidou como um único espaço integrado que incentiva permanentemente a convivência”.

Segundo Ludmila, a escada em arco é a protagonista do projeto. “A dificuldade era acertar uma linguagem que se adequasse, pois ela exige proporções adequadas. A solução foi posicioná-la voltada para a porta do lavabo. Dessa maneira, a escada tornou-se um elemento surpresa, presente visualmente de todos os pontos, mas a sua vista principal só pode ser apreciada quando estamos no hall em frente ao lavabo. Seu desenho curvo é repetido no mezanino, formando um arco espelhado e harmonizando sua forma, sem que se tornasse um elemento curvo isolado, destoando do restante da composição”.

Em vez de paredes, a separação dos espaços, onde necessária, foi feita com portas de grandes aberturas e vidro. A porta da cozinha é um painel de madeira integrado ao home theater. “As portas de correr são elementos recorrentes em nossos projetos, porque economizam espaço, facilitando a circulação, ou podem se tornar grandes painéis decorativos”.

Em um espaço bem clean, promovendo um caminho fluido até a área gourmet, a cozinha com ilha fica muito mais bonita quando a ilha é realmente o coração do ambiente, como neste projeto. “Quando ela deixa de ser protagonista, perde um pouco o seu sentido”.

Com relação ao espaço gourmet, o pedido dos moradores era que ele estivesse integrado às demais áreas. “Aqui, uma dica de decoração: quando o gourmet estiver ao lado da sala de jantar, como é o caso, fica interessante optar por mesas de formatos e materiais diferentes”.

Na suíte principal, optamos por fazer o acesso a partir do closet, preservando a intimidade e harmonia do quarto. O banheiro deveria ser um lugar iluminado e muito arejado. “Buscamos uma fluidez neste espaço para tornar mais prático o dia a dia e facilitar momentos que exigem grandes produções, como festas, sem comprometer o espaço do quarto”.

Na fachada, os arquitetos promoveram uma composição simples, mas elegante, composta por um elemento vertical revestido de madeira e dois elementos horizontais compostos pela varanda e sua cobertura.

O toque de sustentabilidade do projeto fica por conta de uma cisterna, enterrada no corredor lateral de serviços, para onde é recolhida toda água de chuva dos telhados, já previamente filtrada. Essa água é bombeada para uma caixa d’água exclusiva para reuso, utilizada para regar os jardins e lavar as áreas externas.