24/11/2016 — Texto: Marqueterie | Fotos: Daniel Ducci

Em meio a um rio encachoeirado, samambaias imensas, lírios, bromélias, palmeiras, pequenos animais, em um lugar tão diverso da vivência urbana em Ubatuba (SP), tão independente em suas relações, Samuel Kruchin, da Kruchin Arquitetura, decidiu projetar ali sua casa de praia, conhecida como Casa das Saíras, de maneira que mantivesse intacta a natureza, sem feri-la.

De um lado, a absoluta transparência dos vidros que rodeiam os espaços de convívio e traz para o interior a totalidade da paisagem, o mar, a mata e toda a dinâmica de vida e diversidade. A área de meia encosta deixa chegar a brisa sobre o topo das árvores, que refresca seus ambientes e escoa entre as claraboias.

Do outro lado, os espaços privados se abrem para a paisagem através de placas sucessivas: vidros/madeiras vazados e um plano angulado que é, inteiramente, em cores intensas (verde, amarela, vermelha e azul), inspiradas nas plumagens de aves que rodeiam a obra como a saíra e o tiê.

“Pequenos pontos em tons fortes que, em variações ritmadas de movimento, assinalam sua existência em meio à intensidade verde da mata”, explicou o arquiteto.

Ao longo do plano inferior, sucedem-se pórticos fabricados em madeira laminada, reflorestada, intercalados por volumes densos de cor que nunca chegam ao plano superior. Entre estes dois planos, as linhas desenvolvem-se no espaço em três segmentos distintos conectados por uma varanda contínua: ao centro abre-se um vazio que integra as áreas laterais e deixa ver a continuidade da encosta – não separa e não interrompe a continuidade do percurso.

A casa tem 370 m² e está implantada em um terreno de 10 mil m², localizado na Encosta Vermelha do Sul, em Ubatuba, litoral de São Paulo.

www.kruchin.arq.br